Vitrola Baiana

A Vitrola integra a safra de artistas que compõe a chamada “Nova Música da Bahia” e une ritmos tradicionais com música eletrônica e contemporânea. Seu mais novo lançamento é o single ODARA, música atemporal de Caetano Veloso, regravada pela banda com o peso dos graves, synths e do groove de rua. Em 2018 a banda foi vencedora do Festival de Música da Educadora FM, maior festival independente da Bahia, com a música MEGALODON. A Vitrola já se

apresentou em grandes festivais pela Bahia (Festival de Igatu, Flow Festival, Festival Hype, Festival Primavera, Biergarten e Festival da Cidade), fora do Estado (Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília), Carnaval de Salvador desde 2014 (palcos e trio independente) e prepara um álbum que será lançado em 2020, intitulado Rabo de Arraia.

A banda, formada em Salvador pelos compositores Guga Barbosa e Marcelo Costa em 2014, colhe da própria cidade e de seu povo os elementos para dar significado a sua música. Elementos rítmicos, melódicos e poéticos, riqueza cultural que brota aos borbotões na cidade mais negra do mundo situada fora do continente africano.

Salvador e a Bahia respiram sua ancestralidade e a Vitrola se nutre dessa força cultural para expressar sua arte de forma verdadeira e original, fazendo da regionalidade um traço universal. Nesse contexto, a banda congrega a percussão e rítmica advindas dos terreiros de candomblé da Bahia – os músicos Jadson Baldoíno e Gabriel Santanna, oriundos do Terreiro do Bogum, no bairro do Engenho Velho da Federação, trazem a ancestralidade da nação Jeje da Bahia – e os relaciona com outras linguagens de música eletrônica e contemporânea, numa dialética estabelecida entre o respeito à tradição ancestral e a comunicação com as novas gerações.